Os desafios ambientais globais da produção de roupas

A indústria de vestuário enfrenta desafios ambientais em todas as fases do ciclo de vida de uma peça de roupa, desde a seleção de matérias-primas para o tecido, passando pela produção das peças, até o transporte para nossas lojas. Através da nossa avaliação detalhada dos impactos ambientais, acreditamos que podemos fazer uma diferença mais positiva, nos centrando nas seguintes quatro áreas fundamentais:

Químicos - O Banco Mundial estima que até 20% da poluição da água industrial é causada pelo tingimento e pelo tratamento de tecidos, no qual mais de 8.000 produtos químicos são usados ​​em vários processos produção1. Colaboramos com os outras empresas na indústria para desenvolver formulações químicas mais seguras que nos ajudam a cumprir nosso objetivo de descarte zero de químicos perigosos. Também treinamos fornecedores para elevar o nível de desempenho da gestão de produtos químicos em toda a rede de fornecimento, auditamos a conformidade com as normas, monitoramos dados de efluentes e pesquisamos formulações químicas mais seguras.  

Mais informações

 

Água - Nós verificamos que 84% dos nossos impactos hídricos encontram-se no cultivo de algodão. Por isso estamos nos concentrando na compra de algodão mais sustentável, incluindo algodão orgânico.

Mais informações

 

Mudanças climáticas – Sabemos que 95% dos nossos impactos climáticos estão na nossa rede de fornecimento.  Por isso apoiamos práticas de cultivo de algodão mais sustentável ​​e nos esforçamos para reduzir o uso de produtos químicos e de energia durante a fabricação e o transporte das roupas para nossas lojas e na forma como os consumidores usam nossas roupas.

Mais informações

 

Resíduos – Nos países desenvolvidos, mais de dois terços de toda roupa vai para aterros após o uso.  Estamos buscando novas formas para criar fluxos intermináveis ​​de fibras e de roupas e para reduzir o desperdício em nossas operações.

Mais informações

 

 

newborn collection

Nossa pegada de carbono

bg-img
NOSSA META PARA 2020
20%

de redução da nossa pegada de carbono nas lojas, centros de distribuição e escritórios

bg-img
95%

dos nossos impactos  climáticos provém da nossa rede de fornecimento

 

Medindo a pegada de carbono da cadeia de valor da C&A

Em 2016, finalizamos nossa primeira pegada de carbono da cadeia de valor da C&A – do berço ao túmulo (Cradle to Grave). Em parceria com cientistas da Aligned Incentives, desenvolvemos um modelo de Análise do Ciclo de Vida (ACV) para avaliar nossas emissões de gases de efeito estufa (GEE) de escopo 1, 2 e 3. O modelo segue as diretrizes do GHG Protocol, do World Resources Institute/World Business Council for Sustainable Development para contabilizar e reportar as informações de emissões de gases de efeito estufa de empresas e cadeias de valor. Este modelo híbrido de ACV combina métodos de entrada-saída e de processos de ACV, fazendo com que seja possível nos concentrarmos nas principais áreas na nossa cadeia de valor em nível de materialidade, regionalidade e cadeia de valor.

O estudo utilizou dados granulares de mais de 370.000 remessas de nossos países fornecedores para nossas lojas. Também foram avaliadas mais de 6.700 compras de produtos não vendidos em lojas para avaliar os impactos da cadeia de valor de produtos e serviços que estão relacionados com nossas nossos processos operacionais e administrativos. Isto combinado com dados de energia e de combustível para cada uma de nossas lojas, centros de distribuição e escritórios nos forneceu um conjunto abrangente de dados utilizados na análise.

image

Detalhamento das emissões de GEE na nossa cadeia de valor em 2015 de acordo com o GHG Protocol

Detalhamento de emissões de GEE em 2015 por fibra

Por meio deste estudo, estimamos que nossos produtos contribuem 5.085.360 toneladas de CO2e do berço ao túmulo. A discriminação das emissões nos diz que precisamos nos concentrar nas seguintes áreas:

  • Agricultura – Pouco mais de 13% das nossas emissões de GEE provém da agricultura, devido a elevada porcentagem de fibras naturais como o algodão na linha de produtos da C&A. Em geral, a produção agrícola é menos eficiente do que a produção sintética, resultando em um aumento das emissões de CO2e. Planejamos continuar nosso foco na contratação de algodão mais sustentável para reduzir os impactos dos insumos agrícolas. No ano passado, economizamos 115.000 toneladas de CO2e apenas por meio das nossas compras de algodão orgânico.
  • Produção – Na produção de peças de vestuário, o impacto da produção de tecido é mais do que o dobro do impacto da fabricação de vestuário, 26% em comparação aos 13%. Para abordar esses impactos vamos continuar nos concentrando na parceria PACT - Bangladesh Partnership for Cleaner Textiles e na iniciativa BMI - Better Mills Initiative. Ao combinar nossa própria Gestão Sustentável de Produtos Químicos com estas iniciativas da indústria, visamos reduzir as emissões de gases de efeito estufa, por meio da redução dos produtos químicos utilizados na produção de tecidos, lavanderias e acabamento. Também vamos potencializar nossa abordagem combinada para aumentar a eficiência energética.
  • Operações de varejo – Nossas operações de varejo, com exceção das operações de vestuário e de transporte, são responsáveis por cerca de 13% das nossas emissões totais de GEE, das quais 5% provém do consumo de energia. Para abordar isso, todas as nossas regiões estão desenvolvendo mapas para abordar a eficiência energética e de compra de energia renovável em nossas lojas, escritórios e centros de distribuição novos e existentes. Em 2015, aumentamos a nossa eficiência de carbono em 9% e reduzimos nossa pegada de carbono total em 1,4%, em comparação com os dados de 2012. Nós também adquirimos 30% das nossas fontes de energia a partir de fontes renováveis.
  • Uso do consumidor - Também a partir desse estudo, descobrimos que aquecimento de água para lavar roupas é a principal área de impacto nas emissões de GEE no uso do consumidor. Em 2016, estamos buscando formas de influenciar os clientes a reduzir as temperaturas de lavagem e a lavar algumas peças de vestuário, tais como jeans, com menos frequência. O uso das roupas pelos nossos clientes, incluindo o descarte, compõem 25% da nossa pegada de carbono total. No entanto, dada a grande variabilidade no uso e no cuidado com as peças de roupa em todo o mundo, este valor é uma estimativa com muita incerteza.

Detalhamento das emissões de GEE em 2015 em cada etapa da nossa cadeia de valor

newborn collection

Nossa pegada hídrica

bg-img
NOSSA META PARA 2020
Zero

descarte de produtos químicos perigosos.

 

 

bg-img
84%

do nosso impacto na água estão no cultivo do algodão.

Como podemos reduzir nossos impactos hídricos  

Com base em nossos estudos anteriores sobre água com a Water Footprint Network (WFN), em 2016 desenvolvemos a nossa primeira pegada hídrica global - do berço ao túmulo - para todas as operações da C&A, assim como para as peças de vestuário que vendemos em nossas lojas. Nós trabalhamos com cientistas da Aligned Incentives para criar um modelo híbrido de Avaliação do Ciclo de Vida (ACV), que combina métodos de ACV de entrada-saída e de processo para estimar nosso consumo global de água - e nos ajudaram a visualizar os impactos hídricos diretos e indiretos.    

Sem dúvida o cultivo de algodão é o de maior impacto em termos de consumo de água, quando comparado com todas as outras atividades em nosso negócio.  Nós estimamos que a aquisição de algodão é responsável por 84% da nossa pegada hídrica total, não incluindo os impactos dos produtos químicos na água.

image

Comparação do consumo de água no cultivo do algodão em relação à todas as outras atividades

Através deste estudo estimamos que 3,8 bilhões de m3 de água são consumidos em nossa cadeia de valor. A discriminação de consumo mostra que precisamos nos concentrar nas seguintes áreas:

  • Agricultura – 84% da água consumida vai para o cultivo do algodão, usando como base de cálculo tanto o consumo direto quanto o indireto de água. Vamos criar uma estratégia que complemente a estratégia da C&A Foundation para promover a eficiência e a conservação da água nas bacias hídricas importantes que sustentam a produção de algodão para as coleções da C&A, como a Índia e a China.
  • Produção – Mais de 3% da água é consumida quando a fibra é transformada em tecido. Os principais impactos nesta fase de produção estão no tingimento, na lavagem e no acabamento de tecido. Tendo em vista que China e Bangladesh são as principais regiões produtoras da C&A globalmente, vamos continuar nos concentrando na parceria PACT - Bangladesh Partnership for Cleaner Textiles e na iniciativa BMI - Better Mills Initiative. Ao combinar nossa própria gestão sustentável de produtos químicos com estas iniciativas da indústria, visamos reduzir o consumo de água e os impactos de produtos químicos em águas de superfície.
  • Uso do consumidor – Mais de 4% da água é usada na lavagem da roupa realizada pelo consumidor.  Em 2016, queremos entender como a C&A pode promover um menor uso de água entre os nossos consumidores.

Daqui para frente, pretendemos focar não só nestas três áreas de impacto, mas também na forte ligação entre os nossos esforços e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU para Água Potável e Saneamento. Vamos reunir o trabalho em curso da WFN com nosso trabalho de pegada hídrica da Aligned Incentives para entender melhor nossos impactos sobre o consumo de água e os impactos dos produtos químicos na água de superfície no cultivo de algodão e nas áreas de fabricação de vestuário.

Detalhamento do consumo de água em 2015 em cada etapa da nossa cadeia de valor

newborn collection

Meio ambiente limpo em nossa rede de fornecimento

Saiba mais
bg-img
NOSSA META
Zero

descarte de produtos químicos perigosos.

NOSSO DESEMPENHO
newborn collection

52

Auditorias de Gestão Sustentável de Substâncias Químicas nas principais fábricas de tecido em 2015.

newborn collection

Ambiente limpo em nossas operações

Saiba mais
bg-img
NOSSA META
20%

de redução da nossa pegada de carbono em nossas operações.

NOSSO DESEMPENHO
newborn collection

-9%

de redução das emissões de carbono por área total de vendas em nossas operações.

1 Estimativas do Banco Mundial, veja Kant: Textile dyeing industry an environmental hazard, 2012.
2 Análise da C&A a partir de dados do Banco Mundial, 2015.
3 Adaptado de Oakdene Hollings, 2014.

C&A logo

You have arrived at the English language version of this site.